Press "Enter" to skip to content

Educação Especial no Brasil

0

Em termos técnicos: A Educação Especial é o ramo da Educação que se ocupa do atendimento e da educação de pessoas com deficiência, preferencialmente em escolas regulares, ou em ambientes especializados tais como escolas para surdos, escolas para cegos ou escolas para atender pessoas com deficiência mental.

Quando o assunto é Educação Especial, temos um problema! Problema este encontrado nos primórdios da formação acadêmica, em primeiro plano. Na supervalorização das escolas para obter o maior número de alunos possíveis e lotando salas, em segundo plano.

A Educação Especial tem por finalidade alcançar um público alvo que possui algum tipo de doença física ou mental. O grande questionamento é: Como? Os cursos de licenciatura não oferecem uma formação acadêmica baseada em nesse tipo de educação. Mas por qual motivo?

Em um sistema onde o vestibular é estritamente valorizado, o estilo capitalista de ser lota as salas de aula. Assim o professor não consegue ter um acompanhamento mais específico de cada aluno. Como inserir um adolescente com dificuldades no aprendizado desta forma?

A discussão sobre a inclusão educacional vem crescendo no mundo inteiro e teve início nos anos 90. A Conferência Mundial sobre Necessidades Educativas Especiais, na Espanha, teve grande responsabilidade em impulsionar a educação inclusiva em diversos países. Durante o evento foi elaborada a Declaração de Salamanca, que trata dos princípios, política e prática em educação especial. A resolução determina que todas as escolas devem acolher a todas as crianças, independentemente de suas limitações físicas, intelectuais, sociais, emocionais, linguísticas ou outras.

Outro ponto muito importante é que a academia não forma professores inovadores. Sendo assim, é visível a dificuldade dos docentes de lidar com diversas situações que envolvam Educação Especial. Existe uma grande discussão acerca do assunto: Incluir essas crianças em escolas com crianças “normais” ou alcançá-las em escolas específicas.  Há uma preocupação tanto em não atender do modo devido à criança especial, como não atender suficientemente aos demais. Alega-se que, para atender uma criança especial, é necessário um preparo também especializado.

A maioria das crianças com necessidades especiais ainda está fora do sistema tradicional de ensino. Muitas estão em escolas específicas para crianças deficientes. Outras tantas estão simplesmente sem acesso à educação de qualidade.

 

Metodologias de Ensino para um melhor proveito desse público: 

  • Utilização do Lúdico;
  • Games;
  • Música;
  • Arte;
  • Podcasts;
  • Uso de tecnologias para um maior envolvimento;

É de suma importância salientar que: Não é preciso usar um método de ensino exorbitante para alcançar o maior desempenho do aluno em sala de aula. Ser professor é trilhar o caminho junto com o discente. Faz-se necessário criar um verdadeiro vínculo de afeto e comunhão para que as metodologias aqui citadas, entrem em vigor. Se o professor não for capaz de inovar, se qualificar para tal, será só mais um.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *