Press "Enter" to skip to content

Ambientes virtual no processo de ensino-aprendizagem

0

Contexto; palavra mais que associada a educação no âmbito geral. Em um século marcado pelo imediatismo, as pessoas se encontram cada vez mais conectadas. Os alunos não escapam desta realidade. Respondendo mensagens no aplicativo de mensagem, atualizando feed de notícias, visualizando histórias, etc. A maior verdade é que boa parte dos estudantes não veem as redes sociais como um ambiente de aprendizagem onde é possível partilhar saberes.

O Facebook vem sendo utilizado como ambiente virtual por muitos professores no início das disciplinas. O grupo é aberto e o grande objetivo é mandar as aulas, material e se vai ter aula ou não. O aluno não está incluído nas atividades do grupo. São meros receptores da mensagem. Eles não se veem no grupo.

A grande “bolada” de criar um ambiente virtual é fazer com o que os alunos possam ser atores. Uma foto da turma na capa é uma opção viável. Ao se verem, se apropriam. Ao definir o cronograma da disciplina o professor (administrador do grupo) tem a opção de criar eventos. Ao criar os eventos, os alunos não ficam perdidos nas postagens do Facebook e podem acompanhar de maneira organizada o andamento de cada aula.

O professor sempre anda com um leque de amigos que sustentam suas ideias e partilham assuntos dos mais variados possíveis de modo a permitir um maior toque com o mundo. Essas pessoas podem ser adicionadas ao grupo e comentar algumas aulas que estariam em andamento em um determinado evento, por exemplo. O diferencial desta adição seria o contato com visões diferentes, saindo de uma única vertente, portanto, vindo do professor.

A criação de ambientes virtuais tem sido uma prática estudada por especialistas da educação que observam a inserção da tecnologia um método eficaz de partilhar saberes. Sabendo, contudo, que as tecnologias não foram criadas para solucionar os problemas da educação de modo geral. É uma alternativa que se encaixa com o contexto diário dos alunos.

A criação de um grupo no Facebook não é a única alternativa de ambiente virtual que se encaixa com o contexto dos alunos. A criação de um grupo no Whatsapp favorece mensagens mais rápidas. O audioboom também pode ser uma alternativa para os professores. Ainda em crescimento no mercado brasileiro, o podcast é uma ferramenta simples e prática. O professor poderia propor a abertura de um perfil único onde todos os alunos da sala, em específico, teriam o mesmo login e senha. Da mesma forma que o Facebook, é importante adicionar uma foto da turma para que eles se vejam e sintam-se familiarizados com o ambiente.

O perfil no audioboom é uma alternativa diferente de monitorar uma sala de aula pelo fato de ser uma rede social de podcasts. Mas, é possível adicionar texto.

Portanto, é possível que o professor se adapte ao dia a dia dos alunos, ou seja; seu contexto. A aula estando no Facebook, no Whatsapp ou no Audioboom, os alunos poderiam ter total liberdade e propriedade para interagir com o ambiente. Não somente abrindo o grupo para visualizar se terá aula ou não. Qual a sala, ou qualquer outra coisa do tipo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *